sábado, 13 de junho de 2009

Ego malhado


Foto Boris Kossoy. D. Pedro.



A gente não é para si mesmo o que parece para os outros. A imagem que se imagina estar exibindo é quase sempre mais bonita, marcante, às vezes sedutora, porque era isso que se desejaria. Daí a ambição de tanta gente pelo "sucesso instantâneo", a fama, mesmo que seja à custa da própria dignidade e sossego. Mas quase sempre nossa disposição interior e nossa auto-imagem nos enganam.
Mesmo o espelho é menos confiável do que parece, porque o que vemos refletido muitas vezes se beneficia de nosso olhar indulgente e idealizador, de nosso desejo de agradar, de nossa incrível fragilidade diante da ilusão.
E se é assim para a imagem visível, exterior, imagina o conceito que fazemos de nossa inteligência, talento, personalidade e caráter! Expressão disso é a velha frase "sabe com quem está falando?"
Com quem será que o outro está falando? Com o cidadão mediano e banal a sua frente, ou com o excelso cavalheiro que o próprio se imagina? A famosa frase é sempre lembrada nos momentos em que o ego está arranhado, e se há coisa que ego não agüenta é que se ponha em dúvida sua excelência, seu poder e importância.
Meu ego não é melhor que o de ninguém. Nas horas mais críticas, quer se fazer valer na base do confronto. Faz parte.
Mas essa porção perigosamente arrogante que a gente carrega precisa de rédeas e freio. Ego é como cavalo (puro-sangue, vá lá) – precisa ser bem tratado para ficar manso e em paz e dar conta de seu recado, isto é, defender o melhor possível a imagem de seu amo.
Além de tudo, preciso dele. Todo mundo precisa de um ego saudável pra não se sentir descendo pelo ralo. Em condições normais, o ego é um grande sujeito, sempre pronto a te animar, incentivar, alimentar a auto-estima. Tendo em vista seu gênio irascível, porém, fiz um pacto com ele: cada vez que conseguir se segurar sem pagar mico nos momentos difíceis, dou-lhe um presente. Ego é como criança: gosta de bombom, biscoito, sorvete de chocolate (nesse particular, ele já sabe que a recompensa é racionada, muito mais qualidade do que quantidade). Gosta de ambientes acolhedores, almofadas macias, gente carinhosa. Gosta de um bom filme, boa música, sair pra jantar fora. Adora surpresas.
O trato quase sempre funciona. Com grande vantagem para mim, uma vez que o ego e eu somos indissociáveis e temos o mesmo gosto. Minha vida ficou bem mais divertida. E esse resultado foi só o mais visível. Por tabela, melhorei a qualidade das amizades, consegui superar situações estressantes sem me machucar e – eureca! – fortaleci meu ego sem deixá-lo mimado. Aprendemos juntos que viver bem é muito melhor que correr atrás de qualquer vantagem ou sucesso. E quando ele começa a querer viajar na maionese, puxo-o pelo suspensório ridículo que não abandona nunca. Aí ele volta uns passos atrás e me olha com ar contrito. "Já sei" – diz com uma voz que só eu posso ouvir. "Extrapolei. Peço desculpas. Pronto, já estou de novo no tamanho que você gosta. Mas por favor, não me faz perder a sessão das oito. Eu juro que não faço mais."

13 comentários:

Graça Pires disse...

Muito interessante este seu texto sobre o ego. Dá para reflectir sabendo que nunca nada é o que parece. Ou é melhor ou é pior.
Um beijo.

Janaina Amado disse...

Excelente texto, Adelaide. Consegue ser leve e claro, embora fale de tema muito difícil. Adorei seu trato com seu ego!

O Profeta disse...

Um areal morno acolheu
Teus passos ávidos da chegada
Caminhas na procura das marcas
De uma espera desencontrada

Calmaria!
A bonança reivindicou o Sol no celeste
Uniram-se os pedaços de rasgada vela
Tua alma retomou o sonho adiante


Boa semana


Mágico beijo

* Patty Meirelles * disse...

Agradeço o carinho d sua visita.

Volte sempre e fique a vontade para comentar em meus espaços.

Bjs de luz

Inês disse...

Oi! Gostei do jeito que vc escreve e agora tô garrada!
Beijo!

entremares disse...

O Ego ?
Interessante ( muito ) esse pacto, esse "acordo de cavalheiros" entre aquilo que somos e aquilo que imaginamos ser.
O mesmo se aplica aqui, na blogosera, no teu post, no meu post, em todos, creio...

O "aquilo que somos" escreve o post e... o Ego lê os comentários.
( Às vezes, também arranham... )

Não concordas ?

Nanda Botelho disse...

Vim agradecer a visita e dizer que concordo. Pensar de maneira diferente no assunto pobreza é o primeiro passo, não o último. Agora, eu acho que quando a ideia realmente for diferente o nosso comportamento muda, então pesquisas e ações terão uma premissa mais evoluída!

E vc pode sim, publicar a lista de dias comemorativos!

Bjs!

Mírian Mondon disse...

Gostei muito da maneira bem humorada com que tratou o assunto, muito bom mesmo!
Dei risada e concordei!
Parabens!

O Profeta disse...

Não há longe, teu mundo a ilha
Tens andar gingão mesmo à maneira
O verde é manto que te afaga os pés
O mar é o teu azul por cabeceira

Passos ao encontro
Alma cheia de cor e ilusão
Braços abertos à aventura
O mundo na palma da mão

Bom fim de semana


Mágico beijo

* Patty Meirelles * disse...

"Ser feliz não é ter uma vida perfeita,
mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.
Usar as perdas para refinar a paciencia.
Usar as falhas para esculpir
a serenidade.
Usar a dor para lapidar o prazer.
Usar os obstáculos para abrir
as janelas da inteligencia, pois
a vida , é um espetáculo IMPERDIVEL!!!!

Uma ótima semana para vc!!
Bjinhossssssssssssssssss

cezarina disse...

Parabéns,Adelaide!Excelente texto! Vc escreve muito bem!Passei pra lhe deixar um carinho!Beijos iluminados!

Barbara disse...

Sabe?
O ego se alimenta da persona e vice versa e quem fica escondidinha num canto é a essência - que é independente dos dois anteriores e que nos deixaria muito mais centrados.
Mas...o que seria essa essência?
Ah...é o que fez vc perceber da necessidade das rédeas e no exercício de usá-las, vais ter cada dia mais rigor e discernimento.
Caminhando bem.

lupussignatus disse...

a arte

do

enamoramento :)