domingo, 7 de dezembro de 2008

Não tenho medo de errar


Foto Claudio Edinger.


Devia escrever mil e quinhentas linhas dessa frase – não tenho (muito) medo de errar. Medo de errar, como todo medo, pode ser um sentimento destrutivo quando trava, imobiliza, faz perder muito tempo, embaça a alegria, caso em que é um sinal de burrice, neurose e/ou muita insegurança diante da vida.

No entanto o medo de errar pode até ser construtivo e mesmo necessário, porque faz você se instruir, aprender, aguça a curiosidade. Medo bom é o que empurra para frente, ativa a adrenalina e leva à ação. Em qualquer momento da vida, em qualquer circunstância, medo é como cavalo, que sob controle é útil e agradável, leva longe e poupa energia, mas se em vez de ser conduzido passa a conduzir, adeus passeio ou viagem tranqüila. O que em geral acontece quando se tem medo de ter medo.

Um teste para avaliar a qualidade de nosso medo é ficar atento ao grau de curiosidade que ele é capaz de desencadear. Se nos atiça a descobrir mais, se faz pensar e pesquisar, como fazem poetas e artistas, a quem tudo interessa para ampliar seu espaço de criação, ou o cientista, que progride porque pesquisa e experimenta, sempre aberto a mudanças e diferenças – se for assim, que esse medo seja bendito. Assim como acontece com a curiosidade das crianças, que têm que superar o medo do desconhecido (que no caso delas é a realidade à qual estão sendo apresentadas a cada momento) para se desenvolverem de modo saudável.

O medo de errar que não ousa, prende as pernas, cala a boca e ata as mãos, só faz sofrer. E pior ainda, destrói o que há de mais fértil nas pessoas.

Daqui pra frente, quando eu errar, me avisem. Cheguem com carinho, sem sarcasmo – um pouquinho de ironia pode, mas sem perder a ternura. Quem quer o bem do outro, diz sempre a coisa certa.

18 comentários:

Cris disse...

Oi, querida...

Claro que não podemos ter medo de errar.Aliás, excetuando-se a ética humana, tipo, matar, prejudicar, etc... o que é mesmo errar? Difícil resposta. Vale um post esta reflexão.

Beijo, linda.

Vais disse...

Olá querida Adelaide,
desejo que você tenha um 2009 repleto de alegrias, muita saúde, e belíssimos momentos
beijos e abraços

Francisco Sobreira disse...

Dizem, Adelaide, que o medo é uma coisa necessária. Desde, acrescento, que não se torne algo doentio para a pessoa. Há muitos anos eu tinha medo de escada rolante, até que um dia resolvi acab ar com o medo, subindo várias vezes por uma. É isso. Um beijo.

milena disse...

Adelaide, pra vc também um ano cheio de livros, de música e, parafraseando você, de gentes! e sem medo de errar ou como vc diz: um medo de errar apenas que nos leve adiante, que nos faça ser curiosas!

talvez assim sobre em nós um espaço como o de adélia prado; uma busca ao paraíso que há em cada um de nós!

um grande beijo!

Isabela disse...

Que você tenha um´maravilhoso 2009!
Muita saúde , paz, alegrias e sucesso! Beijos,
Isabela

meraluz disse...

Dedinha, querida

Passei aqui pra lhe desejar um 2009 profundamente azul!

Belo texto da Martha. Eu tenho medo de errar... E errar com medo é errar duas vezes. Vou tentar melhorar em 2009.

beijos :*

meraluz disse...

A propósito, o Umbigo não vai ser continuado? O template está lá solitário, solitário...

Bia Pontes disse...

Eu gostei demais deste último parágrafo. Deus sabe como os relacionamentos estão precisando disto! Gostei demais também, da sua fotinha no perfil, é daquelas que a gente ri junto de ver!
Desejo que 2009 lhe traga muito mais inspiração, entusiasmo, saúde, amor e fé!
beijão, querida!

Anônimo disse...

Dade, lindona - FELIZ 2009!!! Muitos beijos, Babe - do Desobjeto =)))

Cris disse...

Oi, linda...
Devagarinho, voltando . Mas bem devagarinho mesmo..rsrsr A vida real grita alto nesse janeiro. Por ora mudei a decoração e a referência no meu garimpo.
Um ano 100 ora você.

Beijos, querida.

adelaide amorim disse...

Amigos queridos, estou com uma conexão assim do tipo vai-não-vai, por isso não tenho visitado vocês e sabe Deus como consigo ler os comentários e responder a alguns e-mails. Espero que até o fim do mês as coisas se acertem por aqui.
Beijos e saudade grande.

CoRa disse...

Queridona!

Faz tempo que não vinha aqui.
Nossa que tudo a ver este texto, tão parecido com o que penso e sou... Tava mesmo com saudades.
Apareça na minha nova casa

http://coracaoincondicional.blogspot.com

beijos
CoRa

Graça Pires disse...

"O medo de errar que não ousa, prende as pernas, cala a boca e ata as mãos, só faz sofrer. E pior ainda, destrói o que há de mais fértil nas pessoas."
Não posso estar mais de acordo.
Um beijo.

Lord Broken Pottery disse...

Bonita refexão sobre o erro. O importante, sempre, é ter classe, e reconhecer o erro.
Beijo

dácio jaegger disse...

O medo mantém a vida! O medo é a proteção suprema da natureza! Controlar o medo é racionalizar a vida de relação. Exagerar no controle é doentio. Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém. Tudo necessário no ano entrante. Saúde, bjs.

Lord Broken Pottery disse...

Adelaide,
Eu quero, pelo menos, ter direito aos meus medos. E os tenho muitos. De errar inclusive. O medo maior, porém, é de não errar. O dia em que deixar de errar, terei parado de tentar. Refleti mais um pouco sobre o seu texto e resolvi voltar.
Beijo

Marcelo F. Carvalho disse...

Adelaide, já é quase fevereiro... sai dessas férias! hehehe

líria porto disse...

obrigada pela tua visita, adelaide!! volta sempre!

gostei de te ler!

medo de errar?? risos

(des)enganos
líria porto

erro quanto erro
enquanto acerto
sempre que tento
intento berro
erro neste verso
naquele inverso
erro quando peço
careço devo
e nada ofereço

erro por teima
cisma queima
erro pelo avesso
poros pêlos
erro ao não sê-lo
ao desconhecê-lo
descolar um selo
deslocar um medo
ao não decolar

*

besos