quinta-feira, 25 de março de 2010

Minha irmã Esquizinha





Oh Deus, tira essa figura inimiga de dentro de mim. Esquizinha me atrapalha muito a vida. Ela pensa diferente, entende?
Quê? Se ela sair de repente eu caio quebrada em duas, metade pra cada lado? Mas se você me ajudar eu chego junto. Você não tem nada com isso? Como não tem? Então eu acredito em você e você não tem nada com isso? Misturando as coisas, eu? Mas se eu vivo misturada com ela, eu puxo pra um lado e ela pro outro! Cacilda, você não é onipotente? Hein?
Ah, isso é jurisdição do psiquiatra? Ele não é onisciente que nem você. E se ele erra a mão? E se me enche de remédio e eu fico lesa? Você nem se incomoda? Me livra dela, Deus, me livra dela.
Ah, ela também é sua filha? E ela não quer se ver livre de mim que nem eu dela? Hein, Deus? Fala com ela então. Eu tapo os ouvidos, não vou me meter na conversa, juro.
Ela não te ouve, né? Tá contente da vida, acomodadinha aqui ni mim, bem no quentinho. E eu tentando arrastar a bicha pra fora, pra tomar ar, inventar coisas novas, e ela ali, numa boa vida de fazer raiva, me puxando pra dentro. Ela quer que eu enferruje, percebe? Quer me zerar pra poder reinar sozinha.
Tá bom, Deus, se você se recusa a fazer a cirurgia, vou ter que continuar arrastando Esquizinha pra todo lado, e ela vai continuar me azucrinando as ideias, reclamando de tudo, azedando as conversas e tentando me convencer a ficar em casa lavando e cozinhando. Ela é machista, você sabe.
Uma curiosidade: se você me separasse dela, com qual das duas ficava o meu marido?

10 comentários:

Em@ disse...

esse é o drama "de não sou é a outra" ...cada pessoa tem muita gente dentro,(dum poema meu) não é?
Gostei muito da sua crónica.
bejinho, Dade.

Geraldo Brito (Dado) disse...

Bons textos.

Em@ disse...

Dade:
detesto gralhas, mas elas adoram semear-se no que escrevo. mil desculpas.

corrigindo:

esse é o drama "de não sou EU, é a outra" ...cada pessoa tem muita gente dentro,(dum poema meu) não é?
Gostei muito da sua crónica.
beIjinho, Dade.

E, boa noite.

Janaina Amado disse...

Estes seres internos que carregamos, estes seres internos que tanto nos confundem... xô! Mas que medo da gente não sobreviver, não é mesmo? Lindo texto, Dade – comovente.

Gerana Damulakis disse...

Sempre que leio algo assim, lembro-me de Mário de Andrade com ' eu sou trezentos, sou trezentos e cinquenta, mas algum dia ainda toparei comigo" (citando de memória).
A beleza é ser vário mesmo.

Anônimo disse...

Já dizia Jorge de lIma que não se vive sozinho... Estava certo. SOmos vários, e nem sempre gostamos de todos os eus dentro de nós.


Bjs
AnaG

Sílvia disse...

É bom termos alguém connosco, mas às vezes é preciso espaço.

Um beijo

Barbara disse...

O primeiro comentário tá bacana.
Somos multi.
Mas lembrei que em espanhol o esquisito é exquisito ou seja, fora do quesito , diferente, e geralmente usam a palavra para uma coisa ou pessoa ou fato muito bom!
No Chile é que descobri isso.

Kanauã Kaluanã disse...

Dade,

Vibrei com esse texto!!! Eu e todas as que estão aos pulinhos dentro de mim.
Agora fiquei curiosa para saber mais sobre esta siamesa da Esquizinha que tece um diálogo assim tão espontâneo com Deus.
Uma delícia ler nela o que ele lhe responde!
Sabes, talvez tenhamos as nossas Esquizinhas para equilibrarmo-nos.
Às vezes acho que sem a minha seria uma Mafalda (do Quino) ou Graúna (do Henfil) impossíveis. (risos)

Muito bom saborear da tua imaginação tão apurada e paupável.

Beijos, com esmero.
.
.
.
Katyuscia

Maira Parula disse...

nossas Esquizinhas são danadas, muié. feliz de quem tem 300 ou 350 dentro de si, como disse o mário. o maracanã inteiro é melhor e menos doloroso do essa Uma aqui dentro. gostei do texto. dá um sorvete pra ela.
bjs às duas